quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Literatura do destino




A verdade é que eu nunca vou estar pronta...

Escrevo para traçar aquilo que em mim fica sem contorno. Preciso preencher o vazio deixado pelo espaço entre os seus abraços. Tento me reinventar de novo, mas não espere que eu vá renunciar a mim, pois "não sei separar os meus fracassos das minhas vitórias". Sou prolixa, não abdicarei de nenhum pedaço do que sou. Livre, efêmero, pulsante...No intervalo das horas releio o roteiro da minha existência. Não há como fugir das entrelinhas do tempo, dos versos amargos do destino, das páginas em branco da saudade, da conjugação do amor em tempo presente. Precisarei de mais do que adjetivações e de frases sem pontos finais. É necessário se fazer sentir, render-se a curva da interrogação e a conviver com meu desequilíbrio, meu desalinho constante, com minha tempestividade e estar pronta para as surpresas de cada capítulo que ainda está por vir.

Keli Wolinger


“Há outras coisas no caminho onde eu vou
As vezes ando só, trocando passos com a solidão
Momentos que são meus, e que não abro mão
Já sei olhar o rio por onde a vida passa
Sem me precipitar, e nem perder a hora
Escuto no silêncio que há em mim e basta
Outro tempo começou pra mim agora ....

É mas tenho ainda muita coisa pra arrumar
Promessas que me fiz e que ainda não cumpri
Palavras me aguardam o tempo exato pra falar
Coisas minhas, talvez você nem queira ouvir

Vou deixar a rua me levar”.... Pra rua me levar – Ana Carolina


12 comentários:

  1. Fala Keli... que susto. Qnd comecei a ler, entendi que vc abandonaria a blogsfera... ainda bem que não neh?

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. pelo seu perfil - definir é limitar, como diz um amigo meu...
    gostei muito do blog...

    amo as musicas da ana carolina...

    beijooossss

    ResponderExcluir
  3. dona linda,


    aqui é uma belezura que só!


    te deixo um pé de riso,
    caso precise de um!


    beijocas de luz!

    ResponderExcluir
  4. Um texto lindo, com a profundidade e o encanto desta bela poetiza, qdo estaremos prontos? Eu apesar de cinquentenário, ainda não estou pronto e isto motiva-me, impulsiona-me a viver, viajar, delirar, viu, um tio ainda inacabado. Pra vc linda bjos, bjos e bjosssssss

    ResponderExcluir
  5. Acho que não mais como é estar pronta, preparada...

    Um beijo, Keli!

    ResponderExcluir
  6. Keli...

    nunca estar pronta é estar no mínimo madura e consciente, o que já é bom demais...

    um texto lindo, profundo e transbordante em sentimentos...

    amei.

    beijo enorme e carinhoso

    ResponderExcluir
  7. Brunno...

    Posso ficar um tempo longe da blogosfera, mas desistir é algo que está fora dos meus planos.

    Beijo enorme

    ResponderExcluir
  8. Rô seja bem vinda!

    Limitar-se é deixar a alma refém do medo e da insegurança do por quê não?!

    Grande abraço

    ResponderExcluir
  9. Cris,

    Fico imensamente feliz pelo carinho gartuito.
    O seu cantinho de sentimentos é um dicionário de emoções.

    Um abraço de luz para você

    ResponderExcluir
  10. Wenderlen...

    Nem mesmo as folhas do calendário e nossa identidade nos alertando que o tempo passa, é capaz de nos deixarmos preparados para as surpresas da vida.
    Beijo no core

    ResponderExcluir
  11. Priscila, mesmo preparada ainda serei confusa =)

    Grande beijo

    ResponderExcluir
  12. É Solange, mas tem horas que preferimos a inconsciência, a inconstância e o despreparo completo.
    Ter medo de brincar longe do quarto de bonecas, no quintal do vizinho é indício de que sempre estaremos no caminho certo (ou seria ele duvidoso)

    Bjos

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Outros Tempos