terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Fim do Calendário... Renove-se


Muito Obrigada! Pelo carinho de todos os leitores destes blog.

Grata também pelas belas palavras nos comentários.

Namastê...

O ano está acabando ... e tudo irá recomeçar novamente vamos brindar a vida!! Que venha 2010 =)

O novo é sempre novo. Traz em si a alegrias das surpresas ( e do ainda não conhecido).

O novo é também o antigo renovado. Reformulado com o que se viveu antes.

O novo é esperança e, ao mesmo tempo, certeza. Tem o charme do mistério, mas pode ser também incrivelmente simples!

O novo pode ser o início de tudo, ou apenas o recomeço.

Renove sua maneira de enxergar o mundo ao seu redor.

A vida é feita dos pequenos grandes gestos: um sorriso, um abraço, uma demonstração de carinho, um saber viver, respeitar e conviver.

Autor Desconhecido*

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Shhh...

Para um dia especial uma postagem um Anjo que admiro... mesmo sem "conhecer" pessoalmente, apenas sentindo sua energia.


Abro vagarosamente os olhos acinzentados, frios
Extremamente sedado, entorpecido
Com dificuldade, consigo me sentar
Gotas de sangue pingam de minhas asas
Tao padecidas, tao machucadas

Sim, embora parecesse
Eu nao estava tao adormecido
Nao ouvia direito sua voz
Nao distinguia direito as cores
Tudo ainda esta meio embacado
Mas sei que voce veio ate mim
Mal podia me mover, mal podia gritar
Para que alguem pudesse ouvir
Mas sua presenca em minha alma
Eu pude sentir

Como voce consegue respirar, viver
Como consegue me olhar
Mesmo sabendo o quanto tenho sofrido?
Vulneravel, dopado
Voce trouxe de volta o mesmo pesadelo
E nao se mostra nem um pouco afetado
Nem um pouco arrependido
Eu sempre tento fugir
Mas meus pes nunca saem do lugar
Quisera eu que essas asas tivessem
A capacidade de voar

Um anjo caido, de repente
Cujo voo foi brutalmente roubado
Nao posso acreditar
Agora que eu tentava renascer
Voce me matou novamente!
Agora que eu recolhia os cacos
E procurava sobreviver
Mais uma vez meu olhar foi apagado
Quero voar
Sim, eu quero voar
Voar com minhas asas rasgadas
E ensanguentadas
Estar bem distante, no periodo da noite
Onde nao ha um lugar seguro para estar
Aqueles que estao sedados
E nao possuem condicoes de se defender
De realmente poder voar
Eu so queria
Ser um pouco respeitado, nao mais sofrer

Vou abrir minhas asas negras
Nao permitirei mais
Que me facam adormecer
Fiquem bem
Boa noite
Vou com os anjos...

E voce?
LuKas Nietze
l

Quem é Lukas Nietzel?
Posso não o conhecer pessoalmente, mas sinto a energia contagiante que o acompanha. As palavras e sentimentos traduzidos em seus textos. Seu coração é puro e sua alma nobre. Mesmo que carregue certas vezes angustia em seu peito, o seu sorriso pode iluminar o dia.
Sucesso garoto tudo de bom.
Conheça mais sobre Lukas acesse: A Cela de um Anjo Caído
Keli Wolinger

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

PEDIDO ESPECIAL


Amanhã participação especial do Anjo LUKAS do Blog A Cela de um Anjo Caído ansiosa.

Com uma brasileira típica deixei tudo para última hora inclusive meu pedido de Natal ao bom velhinho. Final de ano é época de pensar refletir e por que não sonhar? Acreditar que tudo pode ser melhor assim como fazíamos quando crianças.

Desejo a todos um sorriso para cada lágrima derramada;

Um abraço para cada momento de angustia;

Um beijo para espantar o tédio;

Um amigo para amenizar a solidão;

Um travesseiro para encontrar a paz;

Uma vida para matar a fome de viver.

Boas Festas !!

Que tal encarar a vida com humor?

Querido Papai Noel

Eu não me comportei muito bem este ano, porém não fui tão má e mereço uma segunda chance. Eu falei palavrão, não compreendi quando devia e também não fui compreendida.

Mas perdoei aqueles que me magoaram, ganhei novos amigos e os fiz sorrir quando estavam tristes. Por isso, eu peço que me traga de presente muitas caixas de paciência embaladas com tolerância.

Ajude-me a conseguir outros adjetivos que não seja FDP, e que eu não tenha vontade de mandar para PQP, ao falar mal daqueles que buzinam atrás do meu carro enquanto dirijo pela cidade abarrotada de pessoas, automóveis e bicicletas.

Que eu não sinta vontade de arrancar com uma pinça todos os dentes das garotas carentes que olham para o meu namorado e que eu não sinta vontade de matá-lo se ele sorrir.

Ajude-me a cada mês enfrentar a TPM sem ter que comer uma caixa de chocolate e depois passar uma semana comendo alface.

Obrigada por ajudar que as celulites que aparecem no meu bumbum ser exatamente aquelas que não cabem mais no bumbum das minhas inimigas hihih....

Que eu não tenha vontade de mandar meu professor(a) tomar naquele lugar onde o sol não bate , bem lá no orifício rugoso do ínfero lombar quando ele falar a velha frase “o que vocês fazem da meia noite às seis da manhã”?

Que eu não caia na gargalhada cada vez que meu chefe aparecer de camisa laranja florescente, calça xadrez, sapato de verniz e disser que ele mudou o visual depois que o psicólogo falou que ele precisava usar a color terapia no cotidiano para aliviar o stress.

Que eu não tenha vontade de chamar de todos os sinônimos de fezes aqueles que rirem quando eu falo que serei jornalista, por sarcasmo o ainda dizem mais ganha pouco não?! Porque você não fez medicina ou direito?

Que eu não espere de todas as pessoas aquilo que exijo de mim mesma; Que eu tenha serenidade para entender que todos somos seres humanos desta forma imperfeitos.

Que meu trabalho ajude as pessoas entenderem que a culpa do mundo ter se tornado o que é hoje, não foi descaso de Deus, dos governantes, ou de qualquer força sobrenatural foi ‘falha nossa’ mesmo.

E que eu consiga transformar para melhor a vida das pessoas se não conseguir que eu não perca a força de tentar.

Não é pedir demais é?

Com carinho desta estimada jovem com alma de criança,

Keli Wolinger

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Descomplique

O despertador não tocou, abri os olhos quando meu corpo o fez simplesmente pelo fato

de que entendeu que minhas energias foram repostas.

Um sorriso ascendeu em meu rosto quando raios de sol iluminavam as paredes do

quarto por entre as cortinas. O astro solar reinava absoluto no céu observei o movimento frenético de ir e vir das pessoas e percebi como as coisas mais belas da vida são simples.

Dormir até a hora que seu corpo decidir ‘acordar’;

Observar o astro rei fazer seu show matinal;

Passar um tempo longe de celulares, chefes, faculdade e tudo aquilo que possa te afastar das pessoas que ama;

Andar descalços;

Ouvir o som do mar e sentir a fúria das ondas beijando a areia;

Sentir o vento bater nos cabelos;

O cheiro de poeira molhada pela chuva;

O sorriso de uma criança;

Não precisar se preocupar com o tempo esse amigo fiel que nos acompanha e também nos limita;

Aproveitar a vida pelo simples fato de existir parece fácil, mas não é...

Keli Wolinger

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Mundo da Música + Selinho Meme

Bem lá vamos nós!!

Obrigada pelo selinho Brunno, vamos às regras então:

1 - Postar o selinho:

2- Dizer quem te enviou:

3- Os seus 3 desejos de Natal:

  • Prosperidade para toda a minha família, amigos e aqueles que estão ao meu redor.
  • Saúde para fortalecer meu corpo e minha mente.
  • Concluir minha faculdade.

4- Indicar 12 blogs que você goste muito:

Lukas

Diogo

Thayse

Júlio

Marcelo

Liciane

Alan

Marília

Não indiquei 12, indiquei apenas os que eu gosto muito :D

Mundo da Música

Uhu!! O Lukas me convidou para uma blogagem coletiva espero que ainda haja tempo hehehe

1- Natasha Capital Inicial

Minha música... minha história de vida =D me identifico com a letra, uma garota que simplesmente quer viver independente dos seus medos e limitações que deseja viver tudo o que há para viver como se o mundo acabasse amanhã.

2- Dont’ Cry – Guns and Roses

O primeiro beijo =P dispensa qualquer comentário.. quando iniciou minha paixão por Rock!

3- Dillemma - Nelly e Kelly Rowland

O tema da minha história de amor com meu fofíssimo.. para entender só lendo a tradução....

4- Pearl Jam - Last Kiss

Momentos que devem ser guardados no lado esquerdo do peito ;)

5 - Rihanna - Rehab

Quando o amor pode machucar e faz você pedir ajuda... ainda existe reflexões....

6 - Renato Russo e Paulo Ricardo - A Cruz e a Espada

Dúvidas ... porque elas realmente são necessárias

7- Raul Seixas - Maluco beleza

No Fundo todos nós somos.....

8- Cazuza - Codinome Beija-Flor

Sempre protegemos aqueles que amamos...

9- Pitty - Me adora

Todos nós mudamos e chega um dia que extravazamos....

10- Guns and Roses - Patience

Todos precisamos... de Paciência

Passei de cinco kkkkk, mas estas músicas foram garimpadas ao longo dos anos... Bjos valeu pelo convite Lukas!! Bjo

Keli Wolinger

sábado, 19 de dezembro de 2009

Tomara...



“Esta geração é virgem de Vínicius de Moraes”, não me recordo o autor da frase, mas realmente é verdade. Não sou lá muito velha hihihi...., porém não tão nova assim já sou um carro 2.3.brincadeiras a parte falta um pouco de amor e loucura em tudo.

Falta-nos poetas, malucos e lúcidos;

Falta-nos músicos, amantes e amados;

Falta-nos algo que ainda não sei o nome....

Keli Wolinger


Para recordar as belas e sábias palavras do grande mestre Vinícius:


Tomara
Que você volte depressa
Que você não se despeça
Nunca mais do meu carinho
E chore, se arrependa
E pense muito
Que é melhor se sofrer junto
Que viver feliz sozinho

Tomara

Que a tristeza te convença
Que a saudade não compensa
E que a ausência não dá paz
E o verdadeiro amor de quem se ama
Tece a mesma antiga trama
Que não se desfaz

E a coisa mais divina
Que há no mundo
É viver cada segundo
Como nunca mais...

Vinícius de Moraes

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

O Granfino e a Caipira IV – Pedido de Casamento

OBS: Essa é a penúltima parte da história espero que todos gostem beijos até a próxima.

Para quem perdeu os primeiros capítulos:




Gabriela olhava profundamente nos olhos de Rafael, se fosse visível a todos o que ela sentia labaredas de fogo saíam de seus olhos e consumiriam ele ali mesmo.

Ela conteve-se. Cumprimentou os colegas cordialmente e a ele acenou com a cabeça pressentia que aquele seria um longo e difícil dia, ainda mais porque Rafael era seu auxiliar respirou fundo e fez um pedido mentalmente: - Senhor dai-me paciência, coragem e principalmente serenidade o porquê eu sei não será nada fácil”.

Respirou fundo e seguiu para sua rotina, ela estava no depósito recontando as mercadorias, na verdade procurava um lugar distante de todos para derramar suas lágrimas foi quando Jonas apareceu.

Jonas era seu amigo ela o via como um protetor todos seus colegas diziam que ele era perdidamente apaixonado por Gabriela, mas ela não dava ouvidos, pois ele sempre a tratou com enorme respeito e tudo entre eles não passava de uma grande amizade.

- Gabi você está bem? Eu percebi que você um pouco apreensiva está tudo bem posso te ajudar?

Ela relutava em olhar para Jonas, ou ele perceberia que ela havia chorado com um sorriso de canto de boca apenas respondeu:

- Que idéia Jonas, está tudo ótimo de onde você tirou isso...

A resposta que ouviu jamais esperaria, pelo menos não vindo dele. Jonas sempre foi tímido, contido em suas palavras um jovem educado, inteligente e amável aquele tipo de pessoal que facilmente encanta aqueles ao seu redor. Ela nunca entendeu porque ele ainda permanecia sozinho, nunca o vira com garota alguma apesar de achá-lo o último dos românticos, mas ainda assim feliz em sua solidão.

- Eu ouvi o que o Rafael falou e sei que você também ouviu, vocês ainda estão juntos?

A pergunta a atingiu como um raio rompendo os céus ela havia se afastado de Jonas desde que Rafael passou a fazer parte de seus dias. Gabriela sabia que Rafael e Jonas não gostavam um da presença do outro, mesmo sem saber ambos tinham a mesma opinião um a respeito do outro “- um tremendo idiota”.

- Não quero falar sobre isso agora, não com você e muito menos aqui, aliás, isso também não é da sua conta; indignou- se ela.

- Desculpe, mas achei que ainda éramos amigos pelo menos isso.

Respondeu ele dando as costas e a deixando sozinha. Ela fechou os olhos mais uma vez derramou lágrimas não queria magoar Jonas ele era especial, mas a ferida que se abriu em seu peito parecia percorrer todo seu corpo o deixando torpor.

Permaneceu em silencio com sua dor perdeu a noção de quanto tempo ficou naquele estado de transe quando foi subitamente trazida para a realidade.

Aquele perfume, ela era capaz de reconhecer entre tantos Rafael estava ali a sua frente.

Abriu os olhos o encarou não disseram palavra alguma por um longo tempo até que ele falou:

- Porque você fugiu de mim? Preciso falar com você tenho algumas coisas para esclarecer e também me desculpar por.....

Antes que ele pudesse concluir a frase Gabriela o interrompe: - Você não me deve explicações, não temos nada formal lembra? E quanto a esclarecimentos eles não são bem vindos nesse momento. Levantou – se e decidiu que não se falariam mais, pelo menos até aquele sentimento de raiva preso na garganta que afogava se dissolvesse.

Os dias foram passando não trocaram mais uma palavra sobre o assunto, mesmo trabalhando juntos a relação entre eles não passava de profissional.

Gabriela combinou com os amigos para irem a uma festa que todos comentavam ela sabia que precisava exorcizar seus demônios internos. Havia um problema sua mãe não a deixaria sair sozinha precisava de alguém devidamente “responsável” para acompanhá-la a resposta para suas indagações logo foram solucionadas - chamaria Jonas.

Ligou para o amigo fez o convite ele prontamente aceitou combinaram o horário que ele viria buscá-la. Para a mãe de Gabriela, Jonas era o jovem ideal para ela namorar ele impunha um futuro brilhante por ser um rapaz de 18 anos, preso no corpo de um homem de 40.

Era exatamente isso que Gabriela detestava em seu amigo a racionalidade e responsabilidade, demais ela achava que ele não vivia, pois dificilmente quebrava regras.

Ela estava feliz se produziu gostou de sua imagem no espelho e ansiava pela festa Jonas chegou. Logo de início ele disse:

- Você está linda!

- Obrigada! Agora vamos?!

Seguiram para a festa tudo transcorria bem, até o momento que Gabriela viu Rafael foi como uma onda destruindo um castelo sobre a areia. Ele estava maravilhosamente lindo o sorriso iluminando o rosto e os olhos, aqueles olhos de amor e fúria que tanto a seduziam.

Como um golpe certeiro do destino seus olhares se cruzaram por um tempo permaneceram fixos um no outro, mas logo ele desapareceu do seu campo de visão. Por toda a noite ela o procurou não o viu como toda desilusão procurou o remédio para sua dor, ou a fuga dos seus problemas embriagando-se.

Gabriela acordou com a sensação de que foi atropelada por um caminhão, não recordava-se muito bem de tudo o que aconteceu na noite anterior, apenas de que bebeu e dançou muito preferiu não tentar recordar o motivo. Um banho resolveria tudo.

Voltou para o livro que há semanas estava esquecido sob seu criado mudo “O Morro dos Ventos Uivantes”, parecia um boa leitura para seu estado de espírito amor e vingança sempre rendem boas histórias.

Uma leve batida na porta tirou sua concentração.

- Com licença posso entrar?

Ela se surpreendeu era Jonas.

- Oi claro pode entrar, mas desculpe o que você faz aqui essa hora é domingo você não se diverte?

- Eu vim visitar minha namorada não posso?

- Você o quê? Perguntou ela surpresa

- Pelo visto você não lembra, mas ontem quando deixei você em casa criei coragem e pedi para namorar com você e então me disse sim.

Uma onda de calor percorreu o corpo de Gabriela, ela sempre soube que a combinação de mágoa e álcool não terminam bem. Respirou fundo se recuperou do choque e então falou:

- Olha Jonas, não creio que isso dê certo somos amigos e ontem não foi o momento certo para você falar comigo sobre isso me dá um tempo ok?! Preciso pensar, mas hoje não quero mais falar sobre isso, por favor, agora me deixa sozinha.

Jonas consentiu o pedido de Gabriela fechou a porta e só falaria com ela no dia seguinte.

A manhã começou agitada. Gabriela mal conseguiu parar, não falou nem com Rafael muito menos com Jonas, o expediente chegou ao fim ela estava no refeitório guardando seus pertences quando Rafael se aproximou e disse:

- Eu vou embora. Amanhã é meu último dia aqui. Vou retornar a jogar futebol e estou indo para outra cidade queria me despedir de você e te dizer que é muito especial para mim.

Ela não conseguia acreditar no que ouvia a surpresa foi tamanha que deixou cair sua bolsa, o barulho dos objetos tocando o chão a despertaram. Ele pegou sua mão deu um leve beijo em sua face mais uma vez a deixou.

Gabriela sentiu o chão se abrir sobre os pés ele iria embora sairia de sua vida sem ela ao menos ter tido a chance de dizer que o amava, que estava perdidamente apaixonada por ele.

Não mais se viram.

Os meses foram passando ela se aproximou de Jonas uma forma de amenizar sua dor de trazer o sol para seus dias nublados depois de meses aceitou seu pedido de namoro. A relação entre eles ara mais de afeto, amizade do que amor, ou paixão tórrida pelo menos por parte dela.

Já se passava um ano desde que Rafael partiu, ela não havia o esquecido ainda. Estava pronta para ir trabalhar aguardava a chegada de Jonas ele se atrasou ela se enfureceu e eles discutiram.

Como pedido de desculpa ele mandou flores e no cartão um convite para jantar. Ela achou o gesto lindo e aceitou.

Ele foi buscá-la em casa. Gabriela estranhou o fato de eles estar acompanhado dos pais, mas não perguntou.

Jantaram, brindaram o ingresso de Jonas na universidade e então ele pede a atenção de todos, pois tem um comunicado a fazer. Silenciam-se as vozes.

Ele pede que Gabriela feche os olhos, um calafrio lhe subiu pela espinha.

Jonas tira do bolso uma caixa de veludo preta deixando a mostra o conteúdo e então pede que ela abra os olhos para sua surpresa uma pergunta:

- Quer casar comigo?

To be continued

Keli Wolinger

sábado, 12 de dezembro de 2009

O Peso da Alma – Melhor Amigo



Seria um dia como qualquer outro na faculdade, eles se encontraram como de costume no corredor cumprimentaram-se, mas ele notou que sua amiga estava diferente, ou como propriamente ele diria sua energia não era a mesma.

- Vamos até a lanchonete? Preciso conversar um pouco pode ser? – Ela o convidou.

- Ok garota – Resposta simples e direta, assim é Denis seu melhor amigo.

Seguiram em direção a lanchonete ele não perguntou nada pelo que conhecia de Natasha sabia que quando fosse a hora certa ela falaria.

Sentaram – se e permaneceram um longo tempo em silêncio, Denis mantinha os olhos em Natasha ela parecia olhar a esmo. Ele percebeu quando uma lágrima começou a rolar pelo seu rosto, seu queixo endurecer e prensar os dentes ao exclamar:

-Eu não agüento mais, não vou suportar por mais tempo ....

Ele arqueou a sobrancelha a olhou por cima das lentes dos óculos com um ar questionador, como que procurando por arquivos em sua mente quando foi que viu a sua melhor amiga chorar. A considerava forte, obstinada e jamais iria derramar lágrimas na frente de quem quer que seja isso demonstraria fraqueza. Permanecia com os dedos pressionando as têmporas, e olhando para ela ainda não entendia, porém não perguntou.

Natasha fixou os olhos marejados em Denis e falou:

- Me perdoe, mas preciso disso, preciso chorar eu não posso mais....

O abraçou deitou em seu ombro procurando simplesmente um abrigo, como uma criança que acaba de acordar de um pesadelo e ainda sente medo chorou de forma incessante, sentia vontade de gritar, mas não o fez seu choro era um grunhido da alma, um animal mortalmente ferido.
Denis afagava seus cabelos carinhosamente como forma de acalmá-la. Ela se recompôs secou as lágrimas uma leve sensação de conforto parecia começar ele beijou sua testa em sinal de respeito, como irmãos dizendo: - “vai ficar tudo bem”.

- Ele vai me deixar eu sei tem outra garota, ele me traiu acabou.

As palavras saíram da boca dela como uma flecha certeira em direção a Denis, ele não falou nada, mas sua expressão de incredulidade perante ao que a amiga dizia falavam por si só.

- Eu não contei a ninguém guardei isso pelo tempo que eu achei que agüentaria, mas não dá mais isso é uma tortura, preciso confiar em alguém e não há outra pessoa que não você para que eu possa demonstrar meus temores, angústias, medos e confessar meus segredos.

Denis se recostou na cadeira pôs os braços sob a mesa, entrelaçou os dedos e lançou aquele olhar acima das lentes que ela sabia o que significava, o conhecia o suficiente para saber que ele entendeu tudo o que ela falou em breves palavras.

Ele distinguia aquele sentimento sua amiga também já foi sua confidente, ambos tinham uma relação de amor, não um amor de desejo carnal, mas fraterno. Tinham afinidades, equilíbrio eram irmãos.

Podiam ficar horas em silêncio apenas olhando um para o outro que saberiam exatamente o que estavam sentindo e quando se levantassem teriam a sensação de ter a melhor conversa do mundo. Amigos verdadeiros ao ponto de um ligar para o outro e perguntar: -- Você está bem? E do outro lado da linha ouvir apenas um soluço de uma voz afogada pelo choro :- Não... e em resposta estou indo te encontrar.

Ele ouviu cada palavra processou mentalmente em silêncio e não a questionou agora ele teria uma resposta, Natasha tinha medo do ele diria.

To be continued...


Keli Wolinger

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Não me Peça....



Não me peça para voltar.
Não posso voltar para você, pois nunca te deixei.
Meus pensamentos sempre foram seus, e os sonhos somente nossos.
Não me peça somente um abraço, quando o que mais quero é cair em seus braços.
Como pode pedir que eu não vá embora sem ao menos saber que eu também não consigo ir.
Não derrame lágrimas pedindo meu amor, não se pode pedir o que já possui.
Não me peça perdão ele não faria sentido diante do que sinto.
Nunca fomos nós, sempre fomos um.

Keli Wolinger

sábado, 5 de dezembro de 2009

O Granfino e a Caipira – III Apaixonada

Gabriela e Rafael começaram a se ver todos os dias.

Ele esperava por ela todas as noites em frente ao colégio para levá-la para casa. Já se passavam três semanas que estavam juntos. Rafael sempre a deixava na porta de casa, mas não ficava até muito tarde com ela, primeiro porque Gabriela precisava trabalhar no dia seguinte e segundo a mãe dela o detestava.

Sempre que saíam, ela tinha horário para voltar até mesmo nos finais de semana. Ele jamais havia passado da porta da sua casa.

Era quinta feira o dia místico da abertura dos portais sísmicos. Encontraram-se como de costume, ele estava empolgado tinha uma novidade para contar para Gabriela ele queria fazer uma surpresa.

- Oi como você está? Ele a cumprimentou com um leve beijo nos lábios.

- Bem e você? O que houve para tanta euforia? Questionou ela arqueando a sobrancelha.

- Preciso te contar algo e sei que você vai gostar, pelo menos eu gostaria que sim.

Ela prendeu a respiração não sabia ao certo porque ficou apreensiva e enfim disse:

- Fala logo! Detesto rodeios seja direto.

-OK! Calma não fica nervosa, a novidade é que eu vou começar a trabalhar e adivinha onde?

Um calafrio lhe subiu pela espinha quando ela respondeu:

- Hum... você vai voltar a jogar futebol?

Ele sorriu ironicamente e disse:

- E se fosse? Você não gostaria? Vai dizer que teria ciúmes?

A face dela enrubesceu. Seus pensamentos eram muito rápidos e ela falou a primeira coisa que passou pela sua cabeça:

- Não seja tão egocêntrico, é por que é a única coisa que você sabe fazer não é? E Não sentiria ciúmes de você, pois não temos vinculo algum.

Rafael parou de sorrir olhou para o chão como que procurando sentido nas palavras que ela dizia:

- Desculpe a brincadeira serei breve apenas queria te dizer que vamos trabalhar juntos, só isso. Começo na próxima semana seremos colegas e poderemos ficar mais tempo juntos.

A revelação soou como um bater de sinos em um rochedo ecoando pela imensidão dos pensamentos de Gabriela.

-Hã?Não compreendi eu.... é........ desculpe-me não quis te ofender e também fiquei surpresa com tudo isso eu não esperava.

A resposta foi um simples :- Tudo bem.

Não se falaram o resto do caminho até a casa dela, quando chegaram ele disse:

- Até amanhã , a beijou e se despediu.

Ela sentiu um nó na garganta teve vontade de chorar foi como se um vazio se abrisse dentro de seu estômago.

No outro dia ele não estava a esperando ela não compreendeu, porém preferiu não tirar conclusões precipitadas ele também não ligou. Ela chegou em casa tomou um banho demorado e foi se deitar, várias perguntas surgiram ela ainda tentava entender como havia se envolvido com alguém tão diferente.

Rafael era um rapaz de 20 anos, que não trabalhava, não estudava, ainda sobrevivia da mesada dos pais. Ele era jogador de futebol, desempregado, mas mesmo assim um atleta. Sempre rodeado de garotas e vários amigos para curtirem uma balada as diferenças eram tão gritantes entre eles pareciam que sempre estavam caminhando para lados opostos.

Ela não conseguiu dormir acordou exausta, mal conseguia se concentrar no trabalho - ele não havia dado notícias. Não foi buscá-la, pela primeira vez ela deixou escorrer uma lágrima pelo rosto.

Estava em casa lendo no quarto quando sua mãe abriu a porta e a chamou:

- Gabriela! Tem um rapaz chamado Rafael aguardando por você na sala....

Ela levantou de sobressalto assustada com a situação apenas pensou: como ele apareceu ali sem avisar. Pegou a primeira camiseta que viu pela frente, amarrou os cabelos e pediu para sua mãe que avisasse a ele que ela já iria.

Quando chegou à sala Rafael estava sentado no sofá segurando uma flor nas mãos, quando a viu veio em sua direção entregou a flor e disse:

- É para você aceita?

A resposta foi um sorriso. Então ela o questionou:

- O que você está fazendo aqui? Por que não me ligou antes?

- Eu vim falar com sua mãe pedir se você pode sair comigo hoje.

Gabriela sentiu seu estômago na garganta, imaginou qual seria a reação da sua mãe ao pedido de Rafael e preferiu nem cogitar. Chamou sua mãe até a sala e informou que o rapaz queria fazer um pedido saiu o mais depressa que pode disse que iria se arrumar na verdade não queria ver a cena.

Voltou alguns minutos depois ele estava sozinho então perguntou:

- O que ela te falou?

Ele ensaiou um meio sorriso e falou:

-Nada que qualquer mãe não diria, outra hora te falo mais o importante é que você poderá sair comigo hoje e semana que vem vamos em uma festa, já pedi autorização e obtive.

Se abraçaram e riram.A noite foi agradável ele a apresentou para os amigos se divertiram os dias se passavam de rápido a cada dia estavam mais próximos ela estava apaixonada mais não revelou a ele sentia que ele também gostava de sua presença, mas ele era uma incógnita uma parede intransponível nunca deixava transparecer seus reais sentimentos. Ela teve vontade de se entregar a ele, porém não entendia ao certo porque nunca seus instintos diziam não. O que levou ela a se apaixonar por ele não tinha explicação, pois eram de mundos diferentes totalmente opostos, mas ele a fazia rir não somente com os lábios, mas com a alma.

O tão esperado dia da festa chegou. Gabriela estava ansiosa se produziu como nunca contava os minutos no relógio ele viria buscá-la às 23 horas. Os ponteiros do relógio colaram no horário combinado ele não veio. Ela esperou uma, duas, três horas e desistiu.

Com os olhos marejados mais uma vez disse a si mesma que não se iludiria novamente, não seria porque ele a fez voltar a sorrir que a magoaria profundamente. Tomou um longo banho e foi para cama cochilou quando foi despertada pelo toque do celular, confusa tentou abrir os olhos no visor marcava 05horras e 30minutos da manhã ela atendeu com uma voz sonolenta:

- Alô....

Do outro lado da linha muito barulho e a voz que respondia parecia enrolada, logo ela entendeu era Rafael o motivo da fala quase inaudível era que ele estava embriagado e resolveu telefonar.

- Gabi ?!! Sou eu pequena... tá me esperando? Desculpa eu não fui te buscar é porque eu estou em uma festa com meus amigos e.....

Mudo, ela preferiu não escutar o que ele tinha a dizer desligou o telefone e se amaldiçoou por que ainda atendeu a chamada. Ela viu o sol nascer era um lindo dia, mas havia decidido que não sairia do quarto nem por decreto e assim fez, não comeu direito e preferiu curtir apenas seus pensamentos. Sua mãe a chamou, para dizer que Rafael estava em frente a sua casa chamando por ela.

Gabriela pediu que avisasse que não estava. Ela preferia o ver no dia seguinte no trabalho, não gostaria que ele a visse com os olhos inchados.

A segunda feira chegou um belo dia para um confronto. Estavam todos no refeitório antes do início do expediente ela conseguia ouvir a voz de Rafael entre risos dos outros colegas se aproximou devagar ate a porta para ouvir a conversa. Um dos colegas a viu ela apenas fez um gesto para que ele não alardeasse sua presença ele consentiu, nessa hora pode ouvir ele contanto aos amigos suas aventuras do final de semana:

- Cara, velho nem lembro viu tava muito travado sábado, eu ia sair com uma garota , mas os meninos passaram lá em casa e me carregaram para festa não consegui voltar e tipo nem lembro como cheguei em casa. E ontem a mina não quis falar comigo então encontrei a galera na praia e fomos para um apê de umas gurias tinha que tirar o atraso né?!

Todos riram foi o que bastou para Gabriela ela não queria ouvir mais nada já sabia o que precisava. Abriu a porta e entrou, quando Rafael a viu seu sorriso desapareceu da face e uma ruga de preocupação se formou em sua testa será que ela ouviu a conversa?

Ambos se olharam e o silêncio pairou no ar...

To be continued....

Keli Wolinger

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Sua real grandeza

O Convidado de hoje é Alan do blog Antenado Pop ele escreveu um pequeno "Conto de Fadas"ás avessas moderno. Cômico se não fosse a realidade trágica rssss....
O texto é de uma ironia do destino para muitos. Abraços


Ela era linda. Absolutamente nada a abalava. Havia acabado de completar 20 anos. Todos a amavam, a adoravam, todos a bajulavam.
Estava namorando com Tiago, há 3 anos, iam se casar daqui há 2 meses. Era um casal feliz e bonito. Tiago, trabalhava em um açouque ganhava pouco, já ela trabalhava num supermercado, também não ganhava grande coisa. A família dela era absolutamente a favor deste casamento.
Chegou no dia do casamento. Ela estava nervosa, um pouco fora do normal. Ela estava anormal. Subiu ao altar, na hora mais esperada do ' Sim '. Ela falou ' Não ', ninguém entendeu e ficou abismado, principalmente o noivo, que não acreditou em sua resposta. Ela olhou para o lado, um homem se levantou. Ela se virou para o noivo, e falou :
" - Você é lindo. Mais eu não sou mulher para você, ou melhor dizendo você não é homem para mim eu nasci para ser rica, eu nasci para ser glamurosa, não para passar o resto de minha vida, comendo o pão que o diabo amassou."
Saiu do altar, e foi ao encontro do homem, que estava em pé na cerimônia. Este homem era seu chefe, um homem rico, e de meia idade. Ela saiu da igreja sem olhar para trás. O noivo ficou sem reação, assim como toda a igreja. Sua mãe caiu em prantos.
CONLUSÃO :
Ela, se casara com o homem rico que tanto sonhava, e durante 2 anos, viveu como uma princesa, até vir a separação, por aquele homem a trair. Ela ficou sem nada, pois a não havia se casado em comunhão de bens. Os 2 filhos que teve com esse homem, ficaram com ele. Ela nunca mais os viu. Ela ficou na rua da amargura, pegou AIDS e morreu.
Seus filhos desconhecem sua existência.
Lembra do Tiago ?
Ele se recuperou do ' baque ' e se casou de novo. Abriu um açougue só dele, que rapidamente se expandiu, ou seja enriqueceu. Teve 2 filhos e vive feliz com sua esposa.
Não sei bem ao certo porque contei esta história. Só sei que assim como esta mulher existem várias, tome cuidado, com a sua ambição... Ela pode te matar.
Alan Willian Lima

Quem é Alan Lima?
Amigo da blogosfera o garoto dos textos animados.
Seu blog Antenado Pop sempre traz novidades do mundo do entretenimento.
Ligado nas últimas tendências da Web Alan, tem um texto leve e bem humorado. Sucesso em sua jornada garoto ^^.
Conheça mais sobre Alan: Antenado Pop
Keli Wolinger

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

"Este sexo é feminino"

Meus queridos leitores peço perdão pela ausência de posts, mas estou em uma jornada tripla. Final de semestre na faculdade, dois empregos :D (Graças ao meu Bom Deus), namorado , família tudo ao mesmo tempo como sou filha de Deus minha folguinha de domingo fui aproveitar um pouco minha vida rsss, não gosto de ficar longe do carinho de vocês então creio que tudo se ajuste até o final da semana.
Feminista assumida J compartilho com as mulheres maravilhosas da blogosfera um texto ótimo de Patrícia Travassos e para os homens uma reflexão.
Beijos no coração até amanhã se assim o tempo me permitir.....

Keli Wolinger

"Este sexo é feminino" de Patricia Travassos*
Belinha acordou às seis, arrumou as crianças, levou-as para o colégio e voltou para casa a tempo de dar um beijo burocrático em Artur, o marido, e de trocarem cheques, afazeres e reclamações.
Fez um supermercado rápido, brigou com a empregada que manchou seu vestido de seda, saiu como sempre apressada, levou uma multa por estar dirigindo com o celular no ouvido e uma advertência por estacionar em lugar proibido, enquanto ia, por um minuto, ao caixa automático tirar dinheiro.
No caminho do trabalho batucava ansiedade no volante, num congestionamento monstro, e pensava quando teria tempo de fazer a unha e pintar o cabelo antes que se transformasse numa mulher grisalha.
Chegando ao escritório, foi quase atropelada por uma gata escultural que, segundo soube, era a nova contratada da empresa para o cargo que ela, Belinha, fez de tudo para pegar, mas que, apesar do currículo excelente e de seus anos de experiência e dedicação, não conseguiu.

Pensou se abdômen definido contaria ponto, mas logo esqueceu a gata, porque no meio de uma reunião ligaram do colégio de Clarinha, sua filha mais nova, dizendo que ela estava com dor de ouvido e febre.
Tentou em vão achar o marido e, como não conseguiu, resolveu ela mesma ir até o colégio, depois do encontro com o novo cliente, que se revelou um chato, neurótico, desconfiado e com quem teria que lidar nos próximos meses.
Saiu esbaforida e encontrou seu carro com pneu furado.
Pensou em tudo que ainda ia ter que fazer antes de fechar os olhos e sonhar com um mundo melhor.
Abandonou a droga do carro avariado, pegou um táxi e as crianças.
Quando chegou em casa, descobriu que tinha deixado a porra da pasta com o relatório que precisava ler para o dia seguinte no escritório!
Telefonou para o celular do marido com a esperança que ele pudesse pegar os malditos papéis na empresa, mas a bosta continuava fora de área.Conseguiu, depois de vários telefonemas, que um motoboy lhe trouxesse a porra dos documentos.
Tomou uma merda de banho, deu a droga do jantar para as crianças, fez a porcaria dos deveres com os dispersos e botou os monstros para dormir.
Artur chegou puto de uma reunião em São Paulo, reclamando de tudo.
Jantaram em silêncio.
Na cama ela leu metade do relatório e começou a cabecear de sono. Artur a acordou com tesão, a fim de jogo. Como aqueles momentos estavam cada vez mais raros no casamento deles, ela resolveu fazer um último esforço de reportagem e transar.

Deram uma meio rápida, meio mais ou menos, e, quando estava quase pegando no sono de novo, sentiu uma apalpadinha no seu traseiro com o seguinte comentário:
- Tá ficando com a bundinha mole, Belinha... deixa de preguiça e começa a se cuidar...

Belinha olhou para o abajur de metal e se imaginou martelando a cabeça de Artur até ver seus miolos espalhados pelo travesseiro!

Depois se viu pulando sobre o tórax dele até quebrar todas as costelas! Com um alicate de unha arrancou um a um todos os seus dentes depois deu-lhe um chute tão brutal no saco, que voou espermatozóide para todos os lados!
Em seguida usou a técnica que aprendeu num livro de auto-ajuda: como controlar as emoções negativas.
Respirou três vezes profundamente, mentalizando a cor azul, e ponderou. Não ia valer a pena, não estamos nos EUA, não conseguiria uma advogada feminista caríssima que fizesse sua defesa alegando que assassinou o marido cega de tensão pré-menstrual...
Resolveu agir com sabedoria.No dia seguinte, não levou as crianças ao colégio, não fez um supermercado rápido, nem brigou com a empregada. Foi para uma academia e malhou duas horas.
De lá foi para o cabeleireiro pintar os cabelos de acaju e as unhas de vermelho. Ligou para o cliente novo insuportável e disse tudo que achava dele, da mulher dele e do projeto dele.
E aguardou os resultados da sua péssima conduta, fazendo uma massagem estética que jura eliminar, em dez sessões, a gordura localizada.
Enquanto se hospedava num spa, ouviu o marido desesperado tentar localiza-lá pelo celular e descobrir por que ela havia sumido. Pacientemente não atendeu.
E, como vingança é um prato que se come frio, mandou um recado lacônico para a caixa postal dele.
- A bunda ainda está mole. Só volto quando estiver dura.
Um beijo da preguiçosa...


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Outros Tempos