quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

O Granfino e a Caipira IV – Pedido de Casamento

OBS: Essa é a penúltima parte da história espero que todos gostem beijos até a próxima.

Para quem perdeu os primeiros capítulos:




Gabriela olhava profundamente nos olhos de Rafael, se fosse visível a todos o que ela sentia labaredas de fogo saíam de seus olhos e consumiriam ele ali mesmo.

Ela conteve-se. Cumprimentou os colegas cordialmente e a ele acenou com a cabeça pressentia que aquele seria um longo e difícil dia, ainda mais porque Rafael era seu auxiliar respirou fundo e fez um pedido mentalmente: - Senhor dai-me paciência, coragem e principalmente serenidade o porquê eu sei não será nada fácil”.

Respirou fundo e seguiu para sua rotina, ela estava no depósito recontando as mercadorias, na verdade procurava um lugar distante de todos para derramar suas lágrimas foi quando Jonas apareceu.

Jonas era seu amigo ela o via como um protetor todos seus colegas diziam que ele era perdidamente apaixonado por Gabriela, mas ela não dava ouvidos, pois ele sempre a tratou com enorme respeito e tudo entre eles não passava de uma grande amizade.

- Gabi você está bem? Eu percebi que você um pouco apreensiva está tudo bem posso te ajudar?

Ela relutava em olhar para Jonas, ou ele perceberia que ela havia chorado com um sorriso de canto de boca apenas respondeu:

- Que idéia Jonas, está tudo ótimo de onde você tirou isso...

A resposta que ouviu jamais esperaria, pelo menos não vindo dele. Jonas sempre foi tímido, contido em suas palavras um jovem educado, inteligente e amável aquele tipo de pessoal que facilmente encanta aqueles ao seu redor. Ela nunca entendeu porque ele ainda permanecia sozinho, nunca o vira com garota alguma apesar de achá-lo o último dos românticos, mas ainda assim feliz em sua solidão.

- Eu ouvi o que o Rafael falou e sei que você também ouviu, vocês ainda estão juntos?

A pergunta a atingiu como um raio rompendo os céus ela havia se afastado de Jonas desde que Rafael passou a fazer parte de seus dias. Gabriela sabia que Rafael e Jonas não gostavam um da presença do outro, mesmo sem saber ambos tinham a mesma opinião um a respeito do outro “- um tremendo idiota”.

- Não quero falar sobre isso agora, não com você e muito menos aqui, aliás, isso também não é da sua conta; indignou- se ela.

- Desculpe, mas achei que ainda éramos amigos pelo menos isso.

Respondeu ele dando as costas e a deixando sozinha. Ela fechou os olhos mais uma vez derramou lágrimas não queria magoar Jonas ele era especial, mas a ferida que se abriu em seu peito parecia percorrer todo seu corpo o deixando torpor.

Permaneceu em silencio com sua dor perdeu a noção de quanto tempo ficou naquele estado de transe quando foi subitamente trazida para a realidade.

Aquele perfume, ela era capaz de reconhecer entre tantos Rafael estava ali a sua frente.

Abriu os olhos o encarou não disseram palavra alguma por um longo tempo até que ele falou:

- Porque você fugiu de mim? Preciso falar com você tenho algumas coisas para esclarecer e também me desculpar por.....

Antes que ele pudesse concluir a frase Gabriela o interrompe: - Você não me deve explicações, não temos nada formal lembra? E quanto a esclarecimentos eles não são bem vindos nesse momento. Levantou – se e decidiu que não se falariam mais, pelo menos até aquele sentimento de raiva preso na garganta que afogava se dissolvesse.

Os dias foram passando não trocaram mais uma palavra sobre o assunto, mesmo trabalhando juntos a relação entre eles não passava de profissional.

Gabriela combinou com os amigos para irem a uma festa que todos comentavam ela sabia que precisava exorcizar seus demônios internos. Havia um problema sua mãe não a deixaria sair sozinha precisava de alguém devidamente “responsável” para acompanhá-la a resposta para suas indagações logo foram solucionadas - chamaria Jonas.

Ligou para o amigo fez o convite ele prontamente aceitou combinaram o horário que ele viria buscá-la. Para a mãe de Gabriela, Jonas era o jovem ideal para ela namorar ele impunha um futuro brilhante por ser um rapaz de 18 anos, preso no corpo de um homem de 40.

Era exatamente isso que Gabriela detestava em seu amigo a racionalidade e responsabilidade, demais ela achava que ele não vivia, pois dificilmente quebrava regras.

Ela estava feliz se produziu gostou de sua imagem no espelho e ansiava pela festa Jonas chegou. Logo de início ele disse:

- Você está linda!

- Obrigada! Agora vamos?!

Seguiram para a festa tudo transcorria bem, até o momento que Gabriela viu Rafael foi como uma onda destruindo um castelo sobre a areia. Ele estava maravilhosamente lindo o sorriso iluminando o rosto e os olhos, aqueles olhos de amor e fúria que tanto a seduziam.

Como um golpe certeiro do destino seus olhares se cruzaram por um tempo permaneceram fixos um no outro, mas logo ele desapareceu do seu campo de visão. Por toda a noite ela o procurou não o viu como toda desilusão procurou o remédio para sua dor, ou a fuga dos seus problemas embriagando-se.

Gabriela acordou com a sensação de que foi atropelada por um caminhão, não recordava-se muito bem de tudo o que aconteceu na noite anterior, apenas de que bebeu e dançou muito preferiu não tentar recordar o motivo. Um banho resolveria tudo.

Voltou para o livro que há semanas estava esquecido sob seu criado mudo “O Morro dos Ventos Uivantes”, parecia um boa leitura para seu estado de espírito amor e vingança sempre rendem boas histórias.

Uma leve batida na porta tirou sua concentração.

- Com licença posso entrar?

Ela se surpreendeu era Jonas.

- Oi claro pode entrar, mas desculpe o que você faz aqui essa hora é domingo você não se diverte?

- Eu vim visitar minha namorada não posso?

- Você o quê? Perguntou ela surpresa

- Pelo visto você não lembra, mas ontem quando deixei você em casa criei coragem e pedi para namorar com você e então me disse sim.

Uma onda de calor percorreu o corpo de Gabriela, ela sempre soube que a combinação de mágoa e álcool não terminam bem. Respirou fundo se recuperou do choque e então falou:

- Olha Jonas, não creio que isso dê certo somos amigos e ontem não foi o momento certo para você falar comigo sobre isso me dá um tempo ok?! Preciso pensar, mas hoje não quero mais falar sobre isso, por favor, agora me deixa sozinha.

Jonas consentiu o pedido de Gabriela fechou a porta e só falaria com ela no dia seguinte.

A manhã começou agitada. Gabriela mal conseguiu parar, não falou nem com Rafael muito menos com Jonas, o expediente chegou ao fim ela estava no refeitório guardando seus pertences quando Rafael se aproximou e disse:

- Eu vou embora. Amanhã é meu último dia aqui. Vou retornar a jogar futebol e estou indo para outra cidade queria me despedir de você e te dizer que é muito especial para mim.

Ela não conseguia acreditar no que ouvia a surpresa foi tamanha que deixou cair sua bolsa, o barulho dos objetos tocando o chão a despertaram. Ele pegou sua mão deu um leve beijo em sua face mais uma vez a deixou.

Gabriela sentiu o chão se abrir sobre os pés ele iria embora sairia de sua vida sem ela ao menos ter tido a chance de dizer que o amava, que estava perdidamente apaixonada por ele.

Não mais se viram.

Os meses foram passando ela se aproximou de Jonas uma forma de amenizar sua dor de trazer o sol para seus dias nublados depois de meses aceitou seu pedido de namoro. A relação entre eles ara mais de afeto, amizade do que amor, ou paixão tórrida pelo menos por parte dela.

Já se passava um ano desde que Rafael partiu, ela não havia o esquecido ainda. Estava pronta para ir trabalhar aguardava a chegada de Jonas ele se atrasou ela se enfureceu e eles discutiram.

Como pedido de desculpa ele mandou flores e no cartão um convite para jantar. Ela achou o gesto lindo e aceitou.

Ele foi buscá-la em casa. Gabriela estranhou o fato de eles estar acompanhado dos pais, mas não perguntou.

Jantaram, brindaram o ingresso de Jonas na universidade e então ele pede a atenção de todos, pois tem um comunicado a fazer. Silenciam-se as vozes.

Ele pede que Gabriela feche os olhos, um calafrio lhe subiu pela espinha.

Jonas tira do bolso uma caixa de veludo preta deixando a mostra o conteúdo e então pede que ela abra os olhos para sua surpresa uma pergunta:

- Quer casar comigo?

To be continued

Keli Wolinger

3 comentários:

  1. Fala vdd Keli, vc esta esperando um pedido né???
    kkk

    Beijoss
    Bom fds!
    Brunno, ô Luiz

    ResponderExcluir
  2. quero ler o final dessa história...
    adorei!!!
    beijocas e boas férias!

    ResponderExcluir
  3. Opaaaa, Pegue seu selo no Tô Ligado!

    Bom fim de semana!!!
    Brunno

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Outros Tempos